Você está aqui

SÓ BAIXAR O PREÇO DO COMBUSTÍVEL NÃO ADIANTA, É PRECISO IMPEDIR O MASSACRE AOS DIREITOS DA CLASSE TRABALHADORA

Companheiros/as

A greve dos caminhoneiros iniciada no dia 21 de maio que já provoca desabastecimento e bloqueou a circulação das mercadorias na grande maioria dos estados, mostra a importância de se colocar em movimento, para enfrentar os ataques contra as condições cada vez mais precárias de vida e trabalho. Mas só reivindicar a diminuição do preço dos combustíveis não basta, é preciso que a luta seja de classe, da classe trabalhadora contra a política do governo Temer (MDB) que para atender os interesses da burguesia tenta exterminar direitos e salários dos trabalhadores e piorar ainda mais as condições de vida do conjunto da população. A reforma trabalhista e o arrocho salarial aplicados pelos patrões e pelo governo retira muito mais do que as condições de abastecer o carro, retira a comida, a casa, as condições básicas de sobrevivência. 

Num momento em que candidatados a presidência da República, como Jair Bolsonaro se reúne com centenas de empresários essa semana e vomita seu ódio de classe ao declarar que os trabalhadores precisam perder direitos e os que lutam por terra para plantar e casa para morar com dignidade devem ser recebidos â bala, é preciso mais do que nunca enxergar que seja essa candidatura, como outras que atendem os interesses dos patrões tem por objetivo atacar brutalmente a classe trabalhadora. Num momento como esse é preciso enxergar que o caminho da resistência contra esses ataques é a luta conjunto dos trabalhadores em defesa de seus direitos. 

Fortalecer a mobilização organizada junto aos Sindicatos de luta que são os representantes legítimos dos trabalhadores

Não nos deixemos enganar por aqueles que nesses dias de greve dos caminhoneiros usam do movimento para destilar seu ódio de classe, atacando os sindicatos dos trabalhadores, com o objetivo de efetivar o massacre aos direitos trabalhistas. É na luta dos trabalhadores, que rompem com as cercas das categorias e se reconhecem como classe trabalhadora que vamos construir a greve geral contra os ataques da burguesia e de seu governo. 

Os patrões em diversos ramos da economia, principalmente a indústria já começam a dispensar os trabalhadores por falta de peças nas fábricas devido à greve dos caminhoneiros. Exemplo disso, é a tentativa de obrigar os trabalhadores a compensar as horas e/ou dias que foram dispensados, NÃO VAMOS PAGAR ESSE PATO. A responsabilidade pela falta de peças, matérias-primas, produtos não é dos trabalhadores, portanto não assine nenhum documento na empresa em que você trabalhe para compensação desses dias ou horas e entre em contato imediatamente com o Sindicato.